Ser sexy é ser feliz em qualquer idade

0
2

Nada de errado em querer um corpo lindo, mas tudo de errado em se comparar com as deusas das revistas de moda. Afinal não nos dedicamos a ter um corpo perfeito e não é essa nossa profissão. Nada pior que pensar na barriga, nas ruguinhas do rosto e na pequena flacidez da idade, quando alguém te faz aquele elogio sincero. “Sensualidade é uma atitude, que depende da maneira de pensar e enxergar a vida e não da idade que se tem”. Não existe prazer num corpo que não se ama. Prazer e sensualidade estão ligados à autoestima. Se ame e seja sexy.
Você não precisa se matar correndo ou fazendo um monte de exercícios. Pense em pequenas coisas, como caminhar, comer devagar, fazer um relaxamento, tomar um banho de ervas.  Use a criatividade e mude de hábitos. Transforme a batatinha frita em uma fruta seca bem gostosa.
Na hora de se vestir, lembre-se da imagem que quer passar. Seu guarda-roupa é seu cartão de visitas. Nada de se vestir como uma matrona ou um ser assexuado. Seja alegre e feliz e procure dar aquela pitada de sensualidade no seu guarda roupa. Não fique presa em detalhes. Apenas mude de atitude e não fique esperando aprovação do mundo. Vai chegar a hora de trocar sua sensualidade com outra pessoa.

O mais importante é se aceitar. Envelhecer é entrar em acordo com o corpo. Quando temos vinte e cinco anos ficamos achando gordurinhas em cada cantinho e nos matando para achar a perfeição. Quando já se passou dos 40, lembrar dos 25 é uma dádiva, não é? Então aproveite a fase atual como uma das mais importantes da sua vida e de maior crescimento. “Como você já deve ter ouvido falar, o cérebro é o “órgão sexual” mais importante. Use e abuse de suas fantasias e outros pensamentos que fazem suas pernas tremerem e o seu coração disparar”, como sugeriu uma reportagem da revista eletrônica Oxygen.com: “Idade é um número, sensualidade é um modo de pensar, de conduzir, de expressar, de celebrar e de amar a si mesmo”.

Se você gostou e quer receber mais conteúdos como esse, cadastre-se em www.idhl.com.br

*Texto postado no meu antigo blog em 30/11/2004.

Comentários

commentários