Menu de Verão com inspirações da Toscana no Pina

0
26

O Pina anuncia seu novo menu de Verão e para receber a temporada de dias mais quentes à moda italiana, o chef toscano Riccardo Rossi cria receitas com ingredientes leves e frescas no cardápio da casa.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O menu de verão conta com pedidas inspiradas na Toscana, região de origem do chef, e podem ser apreciadas no charmoso salão do restaurante. São três opções de entradas como Salada de folhas, que leva figo, presunto parma, queijo pecorino, tomate cereja e molho ao mel (R$38); Battuta de filé mignon ao molho de ervas mediterrâneas com tomates confitados (R$41) e Creme de feijão cannelini com camarões rosa e azeite aromatizado aos frutos cítricos (R$58). “Este é um prato preparado com feijão branco italiano, bem característico da estação por ser leve, por isso trouxe para este menu”, explica Riccardo.

 

Para os pratos principais há seis sugestões, entre elas Ravioli de mozzarella de búfala e tomate seco ao molho de tomate cereja assados com pesto de manjericão e amêndoas (R$46) e o Agnolotti de ervas mediterrâneas e ricotta de bufala ao molho de tomate fresco e azeite da fazenda da toscana (R$48). “Esses dois pratos são muito vibrantes e lembram bastante o verão na Itália, pois são compostos por ingredientes frescos”, diz o chef que se orgulha de preparar os pratos com o azeite de sua própria fazenda. Além das massas, o cardápio também oferece o Risotto de aspargos e tinta de lula com filé de badejo em crosta de ervas aromáticas (R$62); a Barriga de leitão crocante com risotto de laranja e fruta seca ao molho de erva doce (R$58); o Medalhão de filé mignon ao molho de alecrim com risotto de burrata (R$68) e o Risotto de roses e prosecco com camarões rosa ao sabor de anis (R$70). “O anis que utilizo é em forma de licor: levemente adocicado, perfeito para finalizar o camarão”, completa.

 

Três sobremesas refrescantes completam o menu: Gelato artesanal de yogurt com calda de limão siciliano e morango (R$20); Creme brulee de café e cardamomo com gelato de chocolate belga (R$18) e a grande surpresa, Crostata de figo, castanha de caju e mel com gelato de creme creme (R$20).

 

Sobre o chef

Nascido na pequena cidade de Manciano, na Toscana, Riccardo Rossi nunca imaginou outro ofício. A avó era cozinheira, a mãe também e, por mais que ele não tivesse o desejo de trabalhar em suas trattorias, tinha certeza que queria cozinhar. Tanto assim que, aos 14 anos de idade, iniciou a escola de gastronomia. De manhã, estudava as matérias normais de um colegial; à tarde, tinha aulas de culinária e de como receber. Desde então, seus verões serviram para os estágios: “Tive a sorte de cair de cara num restaurante bom. Country Club a 20 km da cidade dele”.

 

Ainda estudante, seu primeiro trabalho foi no De Caino, na época uma estrela Michelin, em Montemerano. “Ver o mise en place, a confeitaria requintada, o serviço, me abriu novos horizontes. Era como se eu estivesse lendo um grande romance, um romance que te deixa vazio de tão bom”, confessa ele. O arrebatamento fez com que a proprietária do lugar, Valeria Piccini, o “adotasse” por oito anos, tempo em que a casa conquistou e manteve sua segunda estrela no guia francês.

 

Ao longo desse período, porém, Riccardo ainda passou pelo Il Pellicano (também estrelado, em Porto Ercole), foi aprender inglês em Londres, onde também passou por restaurantes italianos, e, na sequência, passou sete anos no Relais La Suvera (em Siena). Aos 23, 24 anos foi a vez do cozinheiro deixar seu porto seguro – a Toscana – e implementar a culinária italiana na Rússia e nos Estados Unidos. Embora mantenha um apartamento na Itália e garanta que lá é sua casa, desde 2014 fincou raízes por aqui.

 

 

Sobre o Pina

Plantas, imagens da Toscana do início do século 20, frases em italiano, um mezanino e um parklet florido tornam o pequenino Pina especialmente aconchegante. Ali, sem afetações, o chef Ricardo Rossi prepara e serve o que ele mesmo comeria. Como quase todos os restaurantes típicos de sua região, incluindo os que sua avó e sua mãe tiveram, a cozinha do Pina é clássica, sem invencionices. No cardápio, há o spaghetti pomodoro e basilico (“No tomate não vai açúcar e nem cenoura, faço como se estivesse na Itália”), carbonara e ao pici al pesto di dragoncello (fio mais grosso enrolado à mão com molho à base de estragão), assim como as versões recheadas. Entre elas, os raviólis, seja o recheado com abóbora e cantucci (biscoito de amêndoas) servido com fonduta de queijo pecorino trufada, seja o de vitelo ao molho de limão e noz moscada. Para finalizar, o tiramisù, feito com autêntico mascarpone e finalizado à mesa com uma dose de espresso bem tirado, disputa a preferência dos habitués com a mousse de zabaione e vinho marsala.

 

Pina

  1. Jacurici, 27 – Itaim Bibi

Tel.: (11) 3071 2501

 

Horário funcionamento:

Segunda-feira à domingo: das 12h às 15h

Quarta/Quinta/Sexta-feira e sábado: também das 19h às 23h

Comentários

commentários