Comemorar o aniversário é um presente para os amigos

Comemorar o aniversário é um presente para os amigos


Nascemos e morremos todos os dias, mas nos esquecemos de comemorar nosso nascimento. Pelo menos uma vez por ano deveríamos nos obrigar a comemorar nosso nascimento. Nascer não é uma festa para ganhar presentes e sim uma festa para incorporar o amor das nossas conquistas diárias.

Alguns médicos defendem a ideia da memória emocional. Memória emocional é aquele fato que vire e mexe vem na cabeça da gente. Lembra aquela briga terrível que você teve há quinze anos com seu marido? Pois é, é mais fácil lembrar do sentimento da briga do que lembrar onde estacionamos o carro minutos atrás. A resposta dessa memória está na amígdala cerebelosa, uma pequena região do cérebro, localizada no centro do sistema límbico responsável pelo processamento da informação emocional de cada um de nós.

Quando essa peça chave do nosso cérebro detecta a emoção, ela própria ativa diversas áreas do cérebro formadoras da memória. Como já sabemos da existência desse mecanismo, acho que pode ser uma boa ideia fazer do nosso aniversário um arquivo de alegrias e toda vez que precisarmos de memória, pedimos socorro à memória emocional e rimos de alegria.

Comemorar o aniversário é um presente para nossos amigos. Eles vêm cheios de alegria, vontade de dividir o tempo que passamos longe, trocar ideias, contar novidades. Comemorar pode ser a chave para a união e afinal, fatos carregados de emoção tendem a ser lembrados por muito mais tempo e com muito mais precisão do que fatos emocionalmente neutros.

Para fazer uma festa regada à emoção, não podemos esquecer dos cinco níveis de comunicação — o primeiro é aquele básico. Oi, como vai? Na verdade, só somos educados. O segundo é aquele que você vê toda hora. Alguém falando de você ou ouvindo sobre alguém. Geralmente vira fofoca. O terceiro, o caminho para o amadurecimento, é aquele que falamos do mundo, de religiões, de coisas que interessam a vida, mas ainda não nos expressamos como amigos. O quarto nível é aquele que estamos próximos da verdade. Falamos dos nossos defeitos, choramos nossas mágoas, mostramos realmente quem somos sem máscara. E por fim o último nível. O mais profundo de todos, que é o de ouvir e receber. Recebemos o amor de nossos amigos quando ouvimos deles os mais profundos anseios e assim marcamos a festa de aniversário com o sopro da harmonia e solidariedade.

Cadastre-se no meu site para receber dicas e inspirações sobre trabalho e bem viver: www.flavialippi.com.br