Apenas uma gota d’água

Apenas uma gota d’água


Todos nós já atravessamos desertos. Nessa travessia nos sentimos perdidos, sem norte, obstruídos pelas poeiras e ventanias do caminho. Os desertos internos de nossa alma são a geografia de nosso coração naquele momento, meio peregrino, solitário e inseguro.

Apenas uma gota d'águaMas o deserto não é apenas um lugar de angústia e de sofrimento. É também um lugar de grandes descobertas. Um momento especial da alma e do coração que necessita de apenas uma gota d’água para viver.

Saint Exupéry escreveu com amor: “Todo deserto esconde um poço, em algum lugar”. Toda dor tem a sua dimensão pedagógica. Quando conversamos claramente e humildemente com nossas atitudes limitantes, percebemos que o sofrimento é uma oportunidade de mudança de hábitos e de atitudes e, que devemos valorizar nossas virtudes e reconhecer nossas debilidades diante da vida.

Ao encontrarmos nossas almas eternamente sinceras, limpamos a interioridade do orgulho fatal, do egoísmo doentio, da amargura inútil, e de sentimentos mesquinhos e opressores.

Nessa jornada são reveladas preciosidades dos bons relacionamentos. Quem perde amigos e amores verdadeiros, fica mais pobre dentro de si. O caminho do deserto com uma gota d’água nos leva para os verdadeiros tesouros da vida, as pessoas que amamos.

 

Se você gostou e quer receber mais conteúdos como esse, cadastre-se em www.idhl.com.br

*Texto postado no meu antigo blog em 05/07/2009.